Dona Marlene (30/06/2013)

Quem é dona Marlene? Uma distinta senhora moradora da Conselheiro Nébias, rua que outrora ostentou um charme que ia além de velhos galpões e oficinas mecânicas maculadas por tarados sujos de graxa e suor. Como uma dona de casa exemplar, viúva e mãe de três filhos dos quais tem muito orgulho, dona Marlene, por toda uma vida, comprou frutas, verduras e peixes na feira próxima a sua casa. É aí que entra a triste figura de Neco Preante. Um tipo esguio sem instrução que foi resgatado filantropicamente das ruas por seu Caymmi para trabalhar em sua banca de legumes. Neco era grosso, possuía um olhar rude e impiedoso. Toda vez que dona Marlene ia as compras se dirigia a ele mentalizando um “creio em Deus pai”.


Certa manhã, ao escolher as cenouras, notou que apenas seu Caymmi estava na barraca:


- E Neco? Está doente?

- Nem me fale desse safado, desse vagabundo. Peguei ele roubando umas fruta lá do Alemão e a senhora sabe que se tem um negócio que eu não tolero é esse tipo de vadiagem! Dei-lhe logo uma carraspana e toquei ele daqui.

- Nossa... Mas que coisa...

- É... Uma coisa mesmo...

- Ah, eu vou levar estas cenouras, mais alface Romana.

- É pra já!!!


O fato de possivelmente não ver Neco nunca mais, lhe conferiu um alívio brutal visto que não voltaria a sentir aquela sensação de medo e não teria mais que se esquivar daquele olhar vil e truculento. Ao voltar para casa gastou alguns minutos na igreja da Santa Cecília a pedir por familiares. Chegou ao portão de seu sobrado e foi surpreendida por dois homens que a empurraram para dentro do pequeno e abandonado jardim com certa violência:


- Meu Deus do céu, minha Nossa Senhora, não me machuca, leva tudo, tó a carteira, só não me mata moço!!!!

- Fica na miúda ae minha tia!!! Cala essa boca senão quisé leva nessa dentadura!!!

- Vai Fulige, faz essa dona ae abrir logo essa porra!

- Vamo minha tia, põe nóis pa dentro ae velha do caralho!!! Nóis vai te esculachá na piaba!!!


Tomada por um desespero nunca antes vivenciado, dona Marlene ao tentar destrancar a porta, derrubou a chave no chão.

    

- Ae Fulige, essa tia tá de rosca!!! Sua velha PUTA!!! Abre logo essa merda que nóis vai te furá na ponta da pica!!! VAI CARALHO!!!!


Mal terminou de virar a chave e os dois homens praticamente arrombaram a porta com o corpo de Dona Marlene.


- Vai vai vai caralho!!! Segura a tia ae enquanto eu faço à limpa!!!! Essa véia da porra, só tem lixo nesse pulguero!!!  

- E ae??? Cadê as joia? Fala CARALHO!!! Desembucha porra!!!


Quanto mais eles a pressionavam, mais nervosa dona Marlene ia ficando e menos conseguia falar. Não demorou muito veio o primeiro soco na boca do estômago, seguido de fortes tapas na cara e uma coronhada que lhe fez cuspir a dentadura. Sem conseguir emitir som, apontou para um vaso em cima da mesa de centro da sala. Fuligem de pronto arremessou o vaso no chão e entre os cacos resgatou uma chave.


- Aí sim essa tia começou a dá o procedê! De onde é essa merda!!! Vai titia, vai abrindo esse bico!!

- No quarto... Terceira gaveta... Do criado mudo... A única que tem trinco...

- Ae deixa a véia estrebuchando Capiao, vamo rapá logo essas joia e vazá daqui!


Os dois se dirigiram ao quarto enquanto dona Marlene estava deitada de bruços no chão em completo estado de choque. Podia ouvir os dois falando e rindo, não conseguia distinguir bem o

que diziam até que em alto e bom som ouviu:


- PUTA QUE O PARIU!!!! Essa véia deixa trancado na gaveta junto com essas joia e essas bugiganga uma puta duma piroca preta de borracha!!!! AHHAHAHAHAHAHAHHA PUTA MERDA!!! Que véia fuleira!!!


Os dois saíram do quarto com uma sacola de supermercado lotada com alguns pertences de dona Marlene. Fuligem arremessou o rijo consolo preto de látex na cabeça da pobre senhora que permaneceu em estado catatônico. Não se demoraram muito, roubaram também um saco de pão velho em cima da mesa e saíram pela porta da frente como dois raios. Dona Marlene vagarosamente conseguiu se sentar no tapete próximo a mesa de centro. Não fazia nada, só ficava ali, parada, fitando aquele imenso pênis. Após alguns minutos, escorregou sua mão em direção ao imenso falo de borracha. Trouxe-o bem próximo ao rosto e segurou aquela cabeçorra bem firme. Vagarosamente foi abrindo a boca e milímetro por milímetro a ponta de sua trêmula língua de característica levemente cianótica alcançou o simulacro de uretra do falo. Logo começou a ganhar terreno pela lustrosa cabeça negra, deslizando no que em breve se tornariam movimentos circulares. Ia e vinha molhando toda aquela superfície com uma baba viscosa, espessa e abundante. Mais alguns segundos e tinha meio pinto entrando e saindo de sua boca desdentada, fazendo com que a cabeça lhe esbarrasse a garganta, tirando pequenos espasmos em ânsia de vômito.


Andando moribundo, Neco Preante vinha Conselheiro Nébias abaixo até avistar a porta da casa de dona Marlene escancarada. Sabia que ela morava lá, pois algumas vezes foi lhe entregar verduras a mando do seu Caymmi. Desconfiado, se esgueirou pelo portão entreaberto e avançou jardim adentro. Lentamente, esticou o pescoço para dentro da sala e avistou dona Marlene engolindo a imensa piroca de borracha. Ficou fitando-a da porta, ela não percebeu sua presença. Tirou a manjuba encharcada de sua boca e foi direcionando-a para dentro de sua saia que a essa altura já estava acima do joelho. Neco estava atônito, nunca pensou em assistir tal cena, ainda mais protagonizada por esta senhora tão casta e puritana que lhe lançava olhares preconceituosos.


Dona Marlene pesava os seus setenta e seis quilos e tinha um metro e sessenta e um de altura, os cabelos quase roxos e o buço virgem de depilação. Usava dentadura desde os cinquenta e nove e não possuía nenhuma vaidade aparente... Batom, nunca. Esmalte então, nem pensar. Aos poucos Neco presenciou uma generosa calcinha bege descendo até os calcanhares e a pica desaparecendo aos poucos entre as pernas daquela curiosa senhora. Dona Marlene percebeu a presença de Neco virando-se para ele com um ar débil e sereno. Neco a olhou firme nos olhos e começou se aproximar.


                Foi testando o assoalho antigo de forma muito cuidadosa. Desviou dos cacos no chão e alcançou Dona Marlene que não se fez de rogada e fitou a pélvis de Neco na altura de seus olhos. Sem falar nada agarrou o fecho da calça e com alguma dificuldade abaixou aquele trapo até os joelhos... Colocou a cueca rota de lado e antes que visualizasse o instrumento por completo caiu de boca como se fosse um algodão doce perdido em algum lugar da infância. Frustrou-se com o tamanho e a espessura... Esperava mais da genética de Neco e mesmo assim não desistiu da jeba que já dava sinais de enrijecimento. Assim continuou em um vai e vem moderado utilizando muito bem a língua e as bochechas. A embocadura faria inveja a qualquer trompetista dos anos 40, aumentou o ritmo até ganhar uma velocidade frenética. Não aguentando mais a pressão e a sucção daquela boca banguela e enrugada, Neco segurou a velha pelos cabelos roxos e ao mesmo tempo em que urrou desvairadamente, empurrou sua jubilante pica contra as amígdalas de Dona Marlene! Antes que ela se manifestasse, despejou litros de porra como se fosse um cavalo ou um jumento que nunca houvera trepado inundando sua boca e provocando um engasgo de proporções federais. O que não conseguiu cuspir e babar engoliu sem fazer muita cerimonia.


- Come o meu cu!!!

- Mas... Senhora, eu...

- Come o meu cu, você não quer comer o meu cu? Há quanto tempo que você não transa? Só deve comer puta e olhe lá... Duvido que tenha dinheiro pra pagar essas rampeiras.

- A senhora tem certeza? É que...

- Cala a boca e vem me comer logo! Fecha a porta que você deixou aberta e vem.


Enquanto Neco foi se encarregar da porta, Dona Marlene terminou de arrancar a roupa e se posicionou de quatro em cima do sofá da sala. Ao se preparar para comer aquele cu notou que o grande caralho de borracha ainda estava enfiado até o talo em sua boceta. A visão daquela bunda enorme cheia de celulites, estrias e varizes com só a base do consolo irrompendo da floresta cinzenta foi o que faltava para Neco ter seu membro rijo novamente como uma barra de ferro.


Deu uma boa escarrada naquele cu roxo e cuidou para que seu dedo empurrasse o catarro preenchendo todas as pregas daquele sol de inverno pronto para levar chumbo. Fez pontaria e pensou estocar a rola de uma vez só naquela bunda flácida. Ao golpear, todo aquele cuspe visguento desviou sua vara para dentro da boceta! Neco não conseguiu acreditar. Aquela racha velha comportou dois caralhos sendo que um deles era do tamanho de uma sequoia. Deu umas cinco bombadas e redirecionou seu pau em direção ao cu. Depois de algum investimento viu sua vara desaparecer com bastante facilidade naquele buraco sem fim. Neco empurrou a vara em Dona Marlene com toda a força que tinha. Quanto mais golpeava, mais ela rebolava. Suas mãos se perderam por entre as tetas gordas enquanto buscava sem sucesso os mamilos que habitavam verdadeiros anéis de saturno. Desistiu das tetas e enfiou metade da mão dentro da boca desdentada que prontamente sugou avidamente os dedos calosos e encardidos. Antes que o cheiro de merda subisse de forma sexy e obscena encheu aquele cu de gala e esperou lá dentro até o último espasmo.


- Se quiser, o banheiro é a primeira porta do corredor.


Neco rebocou seu pau de dentro daquele rabo e sem dizer nada foi até o banheiro. Dona Marlene ouviu a porta bater e a água do chuveiro atingir o chão. Retirou delicadamente o consolo de sua boceta e colocou-o sobre a mesa de jantar. Levantou-se do sofá e foi até seu quarto. Viu suas coisas reviradas e sua gaveta de joias escancarada com a chave ainda no trinco. Vestiu seu penhoir bege e por cima seu roupão de ficar em casa.


Depois de uns quinze minutos, Neco saiu do banheiro já vestido e perfumado.


- Dona Marlene, a senhora...

- Apenas vá embora! Por favor.


Neco dirigiu-se a porta e ao abri-la deu de cara com duas viaturas da polícia e quatro meganhas lhe apontando suas armas.


- Devagar, vagabundo!!! Deita no chão, deita no chão!


Dona Marlene ouviu todo o tumulto de dentro do seu quarto sem esboçar reação. Queria justiça.

14 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

De uma antiga currutela escapavam ruídos que só os loucos podiam decifrar. Paredes recém pintadas... Clausuras de eras hostis... O que não conseguimos destruir tentamos aprisionar. Eis que surgiu por

O asfalto fumegava, o dia estava deslumbrante. Estava eu de passageiro após longa data em um caminho rumo ao meu desconhecido. O paradeiro real era certo, os motivos que me conduziriam a este destino,

Enquanto os ratos se espalham pelo convés, o mundo não da mole para o amor. A primeira dose é afiada como navalha, me faz pensar com alguma clareza, mas isso logo passa. Enrolo para matar a segunda, f